Sutilmente Complicado


Hoje, enquanto enxugava a louça do almoço na cozinha, Henrique me veio com a pergunta: “E se lhe restasse somente este dia?” - como aquela música do Paulinho Moska.


Aí, depois de pensar um pouquinho, fui fazendo minhas suposições: “Assaltaria um banco e compraria uma passagem para um hotel de luxo nas Bahamas” - eu disse.


Mas Henrique retrucou: “Mas não daria tempo para você chegar às Bahamas, pois você só teria este dia!”.


E, logo, eu: “Bem, então eu iria para um SPA paradisíaco em Maragogi (Alagoas)”.


Foi quando Henrique sugeriu: “E por que você apenas não deitaria e respiraria, já que seria mesmo seu último dia?”.


E concluímos: como temos crenças que nos impedem de viver como se fosse o último dia! E complicamos tanto as coisas por causa disso.


Interessante foi que, exatamente hoje, eu acordei e, antes de levantar, respirei a pergunta que havia me dado conta na noite anterior: “E se você soubesse que tudo funcionaria bem, quão diferente você estaria?”.

Ao levantar, ao longo do dia, fiz algumas atividades sem o peso das reclamações dos aspectos que constantemente gostam de se expressar através de Mim. Senti que estava mais leve e com bom humor.


Mas, com a pergunta despretensiosa de Henrique, pude perceber como tudo pode ser sutilmente complicado quando me deixo acreditar nas crenças de aspectos que já estão ultrapassadas para Mim. E o “Agora” tão escolhido pode se esvair rapidamente...

Respiro...

(Aline Bitencourt)



#aspectos #consciênciademassa #fimdomundo #momentodoagora