Pakauwah


Imaginar e criar um Pakauwah, também chamado "animal totem", é uma prática da Antiguidade, mas podemos trazê-la a este momento da Nova Energia.

Podemos criar um animal que seja nosso. Para alguns, pode ser um urso, pode ser uma coruja, pode ser um belo falcão, pode ser um coelho fofinho. Pode ser qualquer um, qualquer animal – um animal que exista na Terra neste momento. Um animal de uma espécie que exista na Terra. Ele pode se tornar real, não apenas uma imagem vaga, mas podemos começar quase a senti-lo – sentir seu pelo ou sua pele, até sentir seu cheiro, podemos olhar em seus olhos.

Vamos usar essa ferramenta, esse totem, por um bom tempo, para muitas coisas que faremos. É de cada um de nós. De mais ninguém. Ele não está fora de nós. Faz parte de nós. É um ser que virá como um amigo querido, criado por nós, nosso animal de estimação. Ele vai nos entender. Seremos capazes de mandá-lo a outros lugares. Quando estivermos ocupados com as coisas humanas normais, seremos capazes de enviar essa parte nossa para fazer outras coisas no nosso passado, no nosso futuro e nas outras dimensões. Ele vai ajudar a nos manter conscientes das energias que estão ao nosso redor, nas dimensões bem a nossa volta e nas dimensões mais afastadas. Ele se tornará nosso melhor amigo nesses próximos anos.

Ele começará a se desenvolver. Começaremos a nos transformar. Não vamos nos surpreender se o nosso animal totem for algo totalmente diferente do que gostamos ou temos afinidade. E, então, vamos começar a absorvê-lo. Podemos mover nossa vida para dentro dele. Ele é nosso. Vamos começar a imaginar, exatamente, como ele se parece, mas entendamos que ele pode mudar. Pode se transformar. Vamos começar sentindo seus atributos e como ele pode voar ou rastejar para outras dimensões; como ele pode fazer explorações para nós; como eles podem estar em constante vigilância a nosso serviço.

Não precisamos começar a pensar qual animal é mais forte, mais esperto, mais rápido ou coisas desse tipo. Não importa. Tem mais a ver com o tipo de relacionamento que estabelecemos com essa parte de nós mesmos, com nossa capacidade de enviá-lo a outros lugares, nossa capacidade de tê-lo conosco, nos mantendo conscientes e alertas.


(Aline Bitencourt)
Baseado na canalização Cada Passo do Caminho

*As imagens contidas aqui são edições de telas de LH, registros de eventos ou do nosso cotidiano, exceto as relacionadas ao Crimson Circle.