Compartilhando sobre O Encontro dos Eus


O Encontro dos Eus é se permitir sentir, de maneira diferente, a essência das situações que costumamos setorizar no nosso dia a dia. Mais do que a Honra da Criação de uma Mestra querida (Aline Bitencourt), é uma canalização de cada um de Nós, Humanos, que já despertamos para vivenciar as novas energias que chegam ao planeta. E, mais do que uma necessidade da mente por respostas, é o apaixonar-se ao sentir o que emana de todos os Eus, que já fomos ou estamos, em algum lugar atemporal das nossas existências. 

Como em uma respiração consciente - inspirando e expirando o que realmente Somos - nos abrimos para novos potenciais. É um abrir-se simples e ousado, muito além do medo e da raiva. E um liberar-se de tudo o que nos mantém pesados e cativos à velha energia depois de éons de desafios. Nós escolhemos chegar a esse momento para, finalmente, deixar fluir a energia nova, brincando como Criadores no nosso próprio "playground" – que é o nosso Espaço Seguro. Aprendemos a fazer da vida um milagre a todo o momento, sem que precisemos negar pensamentos e sentimentos.

A partir do momento em que não negamos nenhum de nossos Eus, ficamos plenos em nossa expansão e passamos a atuar com confiança em relação a tudo o que Somos. Estamos livres para permitir os pensamentos mais loucos, porque passamos a não mais controlá-los e a não querer julgá-los como certos ou errados. Ao invés disso, através dessa “despadronização” do sentir, enxergamos a vida como uma incessante fonte de potenciais, que  já criamos em outros espaços interdimensionais, e que podem ser manifestados nessa dimensão.

Mês passado, já na energia do curso, olhamos de frente para as nossas "bruxas" interiores e,  por mais que o medo parecesse fazer assustador esse processo, tínhamos a certeza - cada um de nós - de que era no nosso Espaço Seguro que toda a magia da Integração iria acontecer. Passamos a enxergar nossos "Eus sombra" não  mais como escravizadores, mas sentindo o potencial de transformá-los em nossa Divindade, que É o que eles, naturalmente, também sempre foram.

Esta foi a oportunidade que nós nos demos para fazer brotar a nossa verdadeira expressão e tornar a nossa consciência um espaço aberto e livre, sem "makyos". 

Aqueles que ainda procuram a Nova Energia em fenômenos, em passes, em curas descobrem que ela é tão simples justamente porque, quando passamos a compreender quem Somos, os tais “milagres físicos” passam a ser apenas parte de um “kit para iniciantes”. E não ferramenta de Criadores. O “verdadeiro milagre” é simplesmente experienciado como resultado da Integração, que é algo à disposição de qualquer humano que fizer essa escolha para si mesmo.

Um Criador opera seus “verdadeiros milagres” quando está no seu Espaço Seguro. Mas se ainda há “demônios” negados e secretamente escondidos nas suas "gavetas", ele age apenas como um “pequeno humano”, lutando entre a luz e a sombra.

A escolha tantas vezes difícil de olhar para a própria escuridão é algo que poucos humanos experimentam de forma plena. Permitir o Encontro de tantas partes de si mesmo é assumir a própria responsabilidade de desbloquear as barreiras que existem entre luz e escuridão, que fazem com que a vida não seja uma experiência de cor e de alegria.

Que linda experiência todos nós estamos vivenciando! Abracemos-nos em gratidão ao nosso Eu Sou o Que Eu Sou... Chegou o momento em que nossas sombras estão sendo liberadas das "trevas", dos nossos mundos mais escondidos, do ruim, do mal (rotulado pela dualidade) e retornando, de uma vez por todas, para se integrar à nossa Divindade. Vamos continuar permitindo-as, naturalmente, em nossa vida.

Somos os desbravadores, os pioneiros, os audaciosos... E porque não também os rebeldes, os hereges, os bruxos...? 

Isso, queridos, É Integração. E se expressa na energia de compaixão deste presente instante.

Um grande abraço!


(De Luiz Henrique - participante de  O Encontro dos Eus - para os outros participantes)


VEJA TAMBÉM:


*As imagens contidas aqui são edições de telas de LH, registros de eventos ou do nosso cotidiano, exceto as relacionadas ao Crimson Circle.